Bem-vindo ao site da AMDEPOL/SINDEPO.

Delegada Ana Cristina Feldner ministra palestra sobre feminicídio

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, a Delegada de Polícia Ana Cristina Feldner, ministrou uma palestra com o tema feminicídio para mais de 60 mulheres. O evento foi realizado nesta terça-feira (07), na Câmara dos Vereadores de Cuiabá.

De acordo com o coordenador de Cultura, Rafael Neto, o tema escolhido para debate é de extrema importância para a população em nível nacional.

“Todos os anos buscamos eventos específico para homenageá-las. E esse é um tema que está em debate no Brasil e tínhamos que trazer alguém da área para falar com nossos servidores. Foi muito bom, as pessoas interagiam bastante”, afirmou.

A Delegada Ana Cristina, atualmente  Adjunta da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção a Pessoa (DHPP), explicou a diferença de um homicídio, quando é cometido contra a mulher, bem como o crescimento dos casos e a falsa percepção de impunidade dos autores.

“A gente sabe que a impunidade dos casos é algo que interfere na criminalidade, mas que esse não era a realidade, que no caso específico de feminicídio a Polícia Civil tem 100% de resolutividade nas ações, identificação de autoria, resultando em mandados de prisão”, declarou.

A Dra. Ana Cristina frisou o forte combate da DHPP, com apoio do Judiciário e do Ministério Público, aos crimes de feminicídio e falou da importância da comunicação policial nos casos de violência doméstica, uma vez dos seis casos de mulheres mortas nas cidades de Cuiabá e Várzea Grande, em 2018, nenhuma das vítimas tinham boletim de ocorrência relatando violência sofrida.

“Isso mostra a complexidade dos casos. Se os números estão alarmantes é porque é muito mais complexo, pois envolve dependência emocional, afetiva, financeira e nem sempre é financeira, que não rara às vezes encontramos mulheres que trabalham e entregam o dinheiro para o companheiro abusivo. Há uma dependência emocional, psicológica, falta de estrutura familiar e até mesmo de uma religião”, destacou.

A delegada finalizou falando da necessidade de políticas públicas envolvendo outros órgãos, visando o atendimento psicológico, ofertas de cursos profissionalizantes e ampla discussão sobre a temática em ambientes diversos, buscando a conscientização e encorajamento das vítimas para denúncias nas unidades policiais.

Por último agradeceu a oportunidade em debater sobre o crime, junto ao legislativo de Cuiabá.

Categorias: Notícias

Comentários estão fechados